segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

#Entomologia Forense: Moscas Entomologia

Olá pessoal, hoje vamos falar de mais duas moscas que importante na entomologia forense, a Fanniidae.

Esta família é muito próxima da família Muscidae (mosca doméstica), de tamanhos médios a

pequenos, olhos grandes, os adultos geralmente planam ou voam em zig -zag e são facilmente

encontrados sob as folhas ou reentrâncias dos prédios (BLAND & JAQUES, 1978).

Suas larvas apresentam corpo achatado e seus ovos possui aspecto de banana.


Foto tirada da internet.

Familia Muscidae.

Grupo que apresenta aparelho bucal bem desenvolvido que pode ser lambedor ou picador.

As espécies associadas a carcaça. geralmente são pequenas e de cor escura. Mas, 

ocasionalmente espécies verde - metálicas podem ocorrer podendo ser confundidas com as 

varejeiras. 

 - Subfamilia Muscinae:

Aparelho bucal tipo sugador, adaptado para funcionar como uma esponja, absorvendo o 

alimento liquido.  Ribeiro (2003) coletou adultos desta subfamilia no verão  usando porco em 

decomposição.


fotos tiradas da internet.

- Subfamilia Stromoxydinae.

Os adultos desta familia apresentam aparelho bucal picador e são hematófagos ( sugam 

sangue). Corpo de coloração cinza e quatro faixas longitudinais no tórax.  Foram coletados em 

pequeno número em uma carcaça de gambá no Rio de Janeiro em 1996 por Salviano.



Renata Ribeiro Stamato
Bióloga em formação (2015) pelo Centro Universitário Barão de Mauá
Atualmente trabalhando no IPEBJ em Ribeirão Preto.
Coordenadora do Laboratório de Entomologia Forense do IPEBJ de Ribeirão Preto.
Professora de Biologia no Estado nos anos de 2012,2013,2014

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

#Entomologia Forense: Falaremos hoje dos primeiros insetos a colonizar um corpo.

Falaremos hoje dos primeiros insetos a colonizar um corpo, as varejeiras.
Também conhecidas como mosca – da – carne, mosca de bicheira, mosca – do – berne.
Elas são de grande importância forense para estimativa de intervalo pós - morte em cadáveres, sendo sua preferência por estágios iniciais da decomposição.

Chrysomya megacephala – O adulto tem coloração verde – azulada ou roxa; não é primariamente sarcófaga, pois colonizam pouco a carcaça.



Chrysomya putoria – O adulto é de coloração verde, a carcaça não é seu meio preferido para colocar seus ovos, mas pode frequenta-la á procura de proteínas para o desenvolvimento dos ovos. 




Chrysomya albiceps – Morca de cor verde dourada, dependendo da temperatura seus ovos eclodem no período de 08 a 24 horas, e as larvas de primeiro instar(fase) alimentam- se dos exudatos da carne fresca decomposta; porém seu segundo e terceiro instares podem se tornar predadores ou mesmo canibais. No verão migram da carcaça em torno do quarto dia para pupar e os adultos emergem uma semana mais tarde. Esta espécie atinge imediatamente a carcaça após exposição.




Renata Ribeiro Stamato
Bióloga em formação (2015) pelo Centro Universitário Barão de Mauá
Atualmente trabalhando no IPEBJ em Ribeirão Preto.
Coordenadora do Laboratório de Entomologia Forense do IPEBJ de Ribeirão Preto.
Professora de Biologia no Estado nos anos de 2012,2013,2014

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

#Entomologia Forense: Introdução Entomologia Básica

Nos dois primeiros trabalhos foi dada uma breve introdução da entomologia forense.
Mas para estudar como ela funciona precisamos estudar os insetos em geral, saber como eles funcionam para entender como eles participam do Intervalo Pós Morte.

Entomologia Geral

Os insetos em geral estão agrupados no Reino Arthopoda.
Este filo reúne organismos que possuem corpos compostos ( vários segmentos) e coberto por uma camada rígida chamada e exoesqueleto que permite grande mobilidade ao inseto.





Na foto o gafanhoto sai do seu exoesqueleto.

A cabeça consiste em seis segmentos ( divisões) que juntos formam a estrutura especializada na alimentação, percepção sensorial e integração neurológica. No crânio encontramos olhos, antenas e cavidade oral.




O tórax é a parte locomotora onde encontra -se as pernas, as asas, quando presentes. Constitui de três partes: protórax, mesotórax, metatórax, cada um com um par de pernas. As asas surgem do mesotórax e metatórax.

O protórax une o tórax a cabeça.

Mesotórax  fica entre o protórax e o metatórax.

Metatórax se liga ao abdome.






As asas são expansões muito finas e móveis, quando presentes pode variar de um a dois pares. Podem ser claras ou pigmentadas, possuem veias e nervos.






 

O abdome é a terceira região do corpo dos insetos com ausência dos apêndices locomotores, estes apêndices são chamados de urômeros e possui três tipos de segmentos:

a) Viscerais: Urômeros de  I a VII (fêmeas) e I - VIII ( machos).

b) Genitais: IX (fêmeas) e VIII - IX ( machos).

c) Pós Genitais:  X e XI.





 

Referência Bibliográfica.

  • Oliveira-Costa, J. et al. Entomologia forense: quando os insetos são vestígios. 3 ed.Campinas: Millenium. 2011. 502 p.
  • . Oliveira-Costa, J. et al. Insetos Peritos: A entomologia Forense no Brasil . 1 ed.Campinas: Millenium. 2013. 488 p.

Renata Ribeiro Stamato
Bióloga em formação (2015) pelo Centro Universitário Barão de Mauá
Atualmente trabalhando no IPEBJ em Ribeirão Preto.
Coordenadora do Laboratório de Entomologia Forense do IPEBJ de Ribeirão Preto.
Professora de Biologia no Estado nos anos de 2012,2013,2014


terça-feira, 20 de janeiro de 2015

#Entomologia Forense: A entomologia forense e suas áreas





A Entomologia Forense é uma ciência que aplica o estudo dos insetos a procedimentos legais. Pode ser dividida em três categorias que, freqüentemente, são alvos de processos litigiosos. A primeira categoria inclui a entomologia forense urbana, que aborda os problemas causados por insetos que destroem imóveis (normalmente moscas e cupins). A segunda categoria refere-se à entomologia forense de produtos de estocagem, como alimentos armazenados com o objetivo de posterior distribuição para consumo e outros. A terceira categoria é representada pela entomologia médico legal ou médico criminal, que envolve o uso de artrópodes, em geral, na solução de crimes. Na questão legal, sua aplicação pode ser na área de entorpecentes, assassinatos, suicídios e mortes violentas de pessoas, como também, do gado e espécies protegidas.


Segundo Keh, os insetos ligados aos cadáveres em decomposição são classificados em:

(a) insetos necrófagos, são aqueles que colonizam a carcaça e seus imaturos ou adultos se alimentam de tecidos animais em decomposição. É o grupo de maior importância para a Entomologia Forense e está representado pelas moscas e besouros;

(b) insetos onívoros, se alimentam de corpos em decomposição (carcaças) e da fauna associada. São formigas e vespas;

(c) insetos parasitas e predadores, os parasitas são aqueles que se utilizam da entomofauna cadavérica como fonte de recursos para o seu próprio desenvolvimento, enquanto os predadores se alimentam das larvas de outros insetos e também dos adultos. Nesse grupo encontram-se os Himenópteros, Coleópteros, Dípteros Muscóides (moscas) e Dermápteros (tesourinhas). Existe ainda, um quarto grupo de organismos que encontra o cadáver ao acaso, constitui-se de visitantes acidentais e são representados pelasaranhas, centopéias e ácaros.

Uma sucessão de insetos, conhecida como “onda seqüencial de colonização”, pode ocorrer em um cadáver, após sua morte, de maneira semelhante quando ele é de porco, coelho ou humano. Por ser previsível, este fato pode ser usado em medicina legal como um método faunístico para determinar o tempo decorrido desde a morte e, inclusive, as condições ambientais predominantes durante esse acontecimento.

As fases de decomposição de um cadáver (estágio fresco, inchamento, decomposição ativa e esqueletização) atraem diferentes tipos de insetos8. Um cadáver fresco é colonizado primeiramente, por moscas (Diptera:Calliphoridae) e moscas domésticas (Muscidae) que chegam em algumas horas e fazem posturas de ovos ou larvas vivas (Calliphoridae pode ser ovípara e vivípara) em aberturas naturais (nariz, boca, ouvido e ânus). A segunda onda é de sarcofagídeos (Diptera: Sarcophagidae) que chegam à medida que o cadáver desenvolve odores. O desenvolvimento dessas larvas em maduras, que deixam o cadáver para empuparem longe do local onde se alimentaram é dependente da temperatura. Com base nesse conhecimento estima-se o tempo pós-morte do cadáver. À medida que o cadáver envelhece, surgem larvas e adultos de coleópteros e outros dípteros.

Renata Ribeiro Stamato
Bióloga em formação (2015) pelo Centro Universitário Barão de Mauá
Atualmente trabalhando no IPEBJ em Ribeirão Preto.
Coordenadora do Laboratório de Entomologia Forense do IPEBJ de Ribeirão Preto.
Professora de Biologia no Estado nos anos de 2012,2013,2014

Colaboradora: Ariadne Costa




segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

#Entomologia Forense: Introdução a Entomologia Forense e Histórico da Entomologia Forense




Entomologia é o ramo da ciência que estuda os insetos enquadrados no grupo dos Arthropoda, na Classe Insecta. Pesquisas feitas por entomólogos abordam várias áreas da Biologia, como evolução, ecologia, comportamento, anatomia, fisiologia, bioquímica e genética.A Entomologia Forense fundamenta-se no estudo dos insetos e outros artrópodes ligados a processos criminais. Neste caso os insetos servem como indicativo nas investigações de crimes violentos e auxiliam na determinação da causa, do local e do intervalo da morte(IPM), pois representam a fauna cadavérica composta por larvas e adultos em seus diferentes estágios de desenvolvimento. E, nessa parceria, os insetos são os aliados da lei. A associação é vantajosa, pois os insetos oferecem facilidade em seu estudo no laboratório, pelo tempo curto para o surgimento de novas gerações e o nascimento de grande quantidade de descendentes em cada postura. Pode-se contar ainda, com o fato de sua manipulação experimental ter uma pequena preocupação ética.
A literatura é carente de estudos sobre insetos que compõe a fauna em cadáveres no estado de São Paulo. Tendo em vista esse fato, esse trabalho propôs realizar um estudo entomológico prático dos insetos que colonizam um corpo em decomposição quando abandonado no ambiente.Para tanto foram verificadas as espécies de Calliphoridae que são os primeiros a habitar o corpo e logo após a decomposição encontra-se os coleópteros que participam do estágio final.
Este trabalho poderá elucidar a composição da fauna cadavérica em uma região rural do Estado de São Paulo, em condições ambientais definidas como temperatura e umidade, constituindo-se assim em uma descrição de mumificação da cabeça do animal, com apenas quatorze dias de experimento, mostrando que temperatura e umidade influenciam no resultado da estimativa pós-morte.


Histórico da Entomologia Forense

O primeiro relato do envolvimento de insetos em morte, com esta abordagem ocorreu no final do século XIII quando SungTz’u, um advogado chinês, escreveu um livro com ensinamentos de como examinar um cadáver e determinar sua causa mortis. Ele relatou um homicídio realizado com um objeto cortante (uma foice) que só foi encontrado pelos investigadores porque moscas sobrevoavam-no, possivelmente atraídas pelos odores exalados pelos restos de líquidos orgânicos aderidos em sua superfície e imperceptíveis a olho nu.
Hermann Reinhard, médico alemão, na década de 1880 exumou cadáveres e mostrou o desenvolvimento de várias espécies de insetos em corpos enterrados; deste modo, coletou várias moscas Phoridae.Já Bergeret d’Arbois, na mesma década, foi o primeiro a estimar o intervalo pós-morte de um indivíduo.Em 1887, Jean Pierre Mégnin publicou os dois livros mais importantes da história da entomologia forense, Faune dês Tombeauxe La Faune dês Cadevres, nos quais descreveu a fauna e a flora da putrefação.
Estudos dessa natureza tiveram início no Brasil, em 1908, com os primeiros trabalhos desenvolvidos por Edgard Roquette Pinto (RJ) e Oscar Freire (BA). Baseados em estudos de casos em humanos e animais, eles registraram a diversidade da fauna de insetos necrófagos nas regiões da Mata Atlântica (primeira coleção de insetos necrófagos), de forma sistemática e por intermédio de métodos adequados às condições locais do Brasil.
Entre 1911 e 1941, Herman Luderwaldt, Samuel Pessoa e Frederico Lane descreveram os besouros escarabeídeos necrófagos do estado de São Paulo e Belfort de Mattos, em 1919, publicou um trabalho sobre os sarcofagídeos de São Paulo.A partir daí, diversos trabalhos sobre entomologia forense foram publicados,no entanto, sua consolidação no Brasil ainda depende da interação dos trabalhos acadêmicos coma polícia judiciária.

Referências
Gullan PJ, Cranston PS. Os insetos, um resumo de entomologia. 3 ed. SãoPaulo: Roca. 2008. 440p.
Pujol-Luz JR, Arantes LC, Constantino R. Cem anos da Entomologia Forense no Brasil (1908-2008). Revista Brasileira de Entomologia. 2008;52(4): 485-92.
Oliveira-Costa, J. et al. Entomologia forense: quando os insetos são vestígios. 3 ed.Campinas: Millenium. 2011. 502 p.
Tz’u S, McKnight BE.The Washing Away of Wrongs: Forensic Medicine in Thirteenth-Century China. Science, medicine, and technology in East Asia, v. 1. Ann Arbor: Center for Chinese Studies, University of Michigan. 1981. 181 p.
Greenberg B, Kunich JC. Entomology and the Law: Flies as forensic indicators. Cambridge: Cambridge University Press. 2002.356 p.
Byrd JH,Castner JL. Forensic entomology: the utility of arthropods in legal investigations. Boca Raton: CRC Press. 2001.437p.
Keh B. Scope and Applications of ForensicEntomology. Annual Review of Entomology. 1985; 30:137-54.
Turner BD. Forensic entomology. Forensic Science Progress. 1991;5:129-52.



Renata Ribeiro Stamato
Bióloga em formação (2015) pelo Centro Universitário Barão de Mauá
Atualmente trabalhando no IPEBJ em Ribeirão Preto.
Coordenadora do Laboratório de Entomologia Forense do IPEBJ de Ribeirão Preto.
Professora de Biologia no Estado nos anos de 2012,2013,2014

Colaboradora: Ariadne Costa

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

#MEDICINALEGAL: Esquizofrenia


I- INTRODUÇÃO:

- Dementia praecox - Kraepelin - Universidade de Munique
- Bleuler, “dementia preacox oder gruppe des schizophrenien (1911), usou pela 1ª vez a palavra
esquizofrenia zuriga.”.
- Início da doença: idade juvenil
- Demência prematura no plano emotivo e afetivo.
- A forma paranóide é mais tardia.
- Schizoo - grego: separar, fender, dividir. há uma cisão, uma desintegração da vida psíquica.
perde-se a união entre pensar, sentir e agir. 1% da população

II- SINTOMAS INICIAIS:

- Não tem consciência de doença, sentimentos embotados, alheio a família, amigos, interrupções
no curso de suas idéias. o pensamento fica bloqueado. bloqueio e inibição.
- Passa a fazer atos imotivados, estranhos. vestir-se de modo diferente, enfraquece ou passa ao
fanatismo, interrompe estudos, etc.

III - EVOLUÇÃO:

- O início pode ser agudo, exuberante, com numerosos sintomas e com atos perigosos. mas pode
também surgir furtivamente.
- Surto: aparente restabelecimento – novo surto. depois de 2 a 3 crises, permanece psicótico – o
estado de defeito esquizofrênico.

IV - SINTOMAS DE ESQUIZOFRENIA DESENVOLVIDA:

Demência afetiva
Alienação do próprio eu
Perturbação paralógica do pensamento
Delírio
Alucinações
Perturbação na vivência do tempo
Autismo

- Demência afetiva: debilidade que ataca a vida afetiva, é frio e rígido insensível, ambivalência no
sentir, querer e agir, paratimia, não ateleiótica.
- Alienação do próprio eu: há pensar em mim, os pensamentos me são roubados.
- Perturbação do pensamento paralógico: neologismos
- Delírio: o delírio paranóide é extravagante, excêntrico, não penetrável. Vivência de significado de
um fenômeno interpretado..

Ex. quando vi aquela caixa de fósforos flutuar na água, soube com certeza que o homem que me
vendeu os cigarros atenta contra a minha vida.

- Alucinações: ver coisas que não existem, ouvir coisas que ninguém ouve, sentir coisas que
ninguém percebe. alucina na 2ª pessoa, na 3ª pessoa prognóstico mais favorável.

- Perturbação na vivência do tempo: o tempo não corre mais.

- Autismo: viver uma existência própria, fechada, inacessível.

SINTOMAS QUE O PACIENTE NÃO TEM:

Consciência perturbada: é lúcido
Inteligência diminuída: permanece intacta
Perturbação da memória: memória normal

V - FORMAS DE ESQUIZOFRENIA

Hebefrênica: (hebe grego - deusa da juventude): A doença aparece em idade juvenil, já na
puberdade ou adolescência. caracteriza-se pela perturbação da afetividade.

Paranóide: é tardia, aproximadamente 35 anos, é típica o delírio (de perseguição, de
envenenamento, de relação ou de grandeza)

Catatônica: 20 a 30 anos. pode ser de muito movimento catatonia hipercinética e de pouco
movimento catatonia hipocinética ou acinética, estupor (imobilidade).
hipercinética: estereotipias, verbigeração, maneirismos, ecopraxia, ecolalia.
hipocinética: sem iniciativa, mutista, sinal do travesseiro, flexibilidade cera catalepsia.
ambas: negativismo e impulsividade.

Simples: pobreza de sintomas. deslizam para a demência afetiva.

Defeito esquizofrênico: estado de deterioração, estado final.

VI - CAUSA DE ESQUIZOFRENIA:

- Desconhecida:

- 1 pai esquizofrênico - 16% p/ filho

- 2 pais esquizofrênicos - 50%

- gêmeos univitelinos 1 gêmeo esquizofrênico - 75% p/ outro

- personalidade pré - mórbida:

- 70% menos sociais, sensíveis, silenciosos

- 30% frios, duros, egocêntricos, desconfiados. esquizotímicos:

VII - TRATAMENTO:

- Clássicos (choques elétricos, choques de insulina, sonoterapia)

- Psicofarmacologia:

- Psicoterapia;

- Laborteilapia;

- Socioterapia

- Psicocirurgia (desuso)

- Nenhum deles cura realmente o doente esquizofrênico, deve tomar o remédio até o fim da vida.

VIII - APLICAÇÕES MÉDICO - LEGAIS:

- O período médico - legal da doença;

- Selo particular;

Aparecimento instantâneo do sentimento de ira.

O esquizofrênico é penalmente irresponsável e civilmente incapaz para todos os atos da vida civil.

- Autor de crime - medida de segurança dada sua alta periculosidade.

- Tratado e curado (?) cura completa comprovada por idônea perícia psiquiátrica, recupera a
capacidade civil e responsabilidade penal.

- Tratado e apenas melhorado, sua capacidade será relativa, dada sua imperfeita compreensão do
significado de alguns atos da vida civil.

Do ponto de vista penal, o esquizofrênico completamente curado (?) responde como pessoa
normal e sã.

Tratado e apenas melhorado, se autor de crime, será enquadrado no parágrafo único do art. 26 do
código penal. pena reduzida e será ainda submetido a medida de segurança ?

IX - ESQUIZOFRENIA COM INICIO NA INFÂNCIA
esquizofrenia com início na infância
inclui a presença de, pelo menos, dois aspectos:
alucinações ,delírios, desorganização (discurso, comportamento);
severo retraimento de, pelo menos, um mês.

Uma disfunção social ou na escolaridade deve estar presente e persistir por, pelo menos, seis
meses.














X- EPIDEMIOLOGIA
em crianças pré-púberes é excepcionalmente rara, menos freqüente que o transtorno autista;
adolescentes 1 a 2 por mil;
em crianças mais jovens - 50 vezes menor;
1.67 meninos para 1 menina;
a esquizofrenia, em geral, é diagnosticada em adolescentes com mais de 15 anos. início súbito ou
insidioso.

XI - ETIOLOGIA
estudos genéticos (evidenciam uma contribuição biológica)
estudos familiares (mecanismo de transmissão desconhecidos)
prevalece entre parentes de primeiro grau
ocorre: ? parentes biológicos;
 não em parentes adotivos;
 gêmeos monozigóticos;
 gêmeos dizigóticos.

Atualmente não se dispõe de um modo confiável de identificação dos indivíduos em alto risco para
esquizofrenia em uma determinada família.
tomografia computadorizada; eletroencefalograma (resultados anormais e inespecíficos)

XII - CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E DIAGNÓSTICAS

O início é freqüentemente insidioso, apresenta pela primeira vez um afeto inadequado ou
comportamento incomum, uma criança pode levar meses para reunir todos os critérios diagnósticos
para a esquizofrenia.

os delírios estão presentes em mais da metade dos casos - perseguição, grandiosidade e
religiosidade. com a idade ? freqüência.
alucinações visuais ocorrem em número significativo de crianças; são assustadoras.
afeto inadequado. as crianças com esquizofrenia podem dar risadas inadequadas ou chorar sem
serem capazes de explicar o motivo.
distúrbios do pensamento: afrouxamento de associações, bloqueio, ilógico e pobre.
exame patológico e laboratorial - inútil

XIII - DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

transtorno da personalidade esquizotípica e crianças com esquizofrenia tem: afeto embotado,
isolamento social, pensamentos excêntricos, idéias de referência e comportamento bizarro.
só na criança com esquizofrenia: alucinações, delírios e incoerência - excluem.
transtorno bipolar pmd (alteração do humor)
abuso de álcool e anfetaminas, lsd e etc.
lúpus eritematoso sistêmico, doença da tireóide e doença do lobo temporal.
estressores psicossociais extremos: separação dos pais, perda ou mudança do estilo de vida.

XIV - CURSO E PROGNÓSTICO:

previsores importantes - nível de funcionamento da criança antes do início da esquizofrenia;
idade quando do início;
retorno do funcionamento da criança após o primeiro episódio;
grau de apoio de que dispõe a família.
prognóstico mais reservado e reagem fracamente ao tratamento medicamentoso: crianças com
atraso no desenvolvimento e transtornos comportamentais, como transtorno do déficit de atenção,
hiperatividade e transtorno de conduta e aprendizagem.
em geral a esquizofrenia com início na infância parece ser menos sensível aos medicamentos do
que a esquizofrenia de início na idade adulta ou na adolescência. tem prognóstico.
os sintomas positivos: alucinações e delírios tendem a ser mais sensíveis aos medicamentos do
que os sintomas negativos, como o retraimento.

XV - TRATAMENTO:

medicamentos antipsicóticos: educação familiar e encontros familiares.
haloperidol e trifluoperaziva: riscos de discinesias.
clozapina - não tende a causar discinesia.
psicoterapia:
deve levar em consideração: nível de desenvolvimento da criança, apoio ao bom teste de
realidade, incluir uma sensibilidade ao sentimento de self da criança








quarta-feira, 19 de novembro de 2014

#MEDICINALEGAL: NEUROSES

I – CONCEITOS:

- São enfermidades da personalidade caracterizadas por conflitos intrapsíquicos que inibem o
relacionamento social.

- São estados mórbidos caracterizados por perturbações psíquicas e somáticas que causam
grande sofrimento íntimo, determinado por fatores psicológicos.

- Não são alienados, são ‘ formas de martírio’.

- Não alteram o juízo da realidade.

- Tendem a exagerar seu estado mórbido, seja para acalmar seu sentimento de culpa, seja para
despertar a atenção e interesse dos outros, seja para, obter uma situação de dependência.

- É uma perturbação de contato, uma perturbação nas relações com outrem.

II – CAUSAS:

predisposição ou constituição;

fatores neurotizantes na sociedade;

a família em que se criou, o relacionamento na infância;

ambiente em que vive. ex. diretor de uma empresa a beira de falência, cheio de preocupações.

neurose de situação.

III – SINTOMAS:

Alteração no contato com os outros:

a- contato com poucos;

b- pouco contato, talvez com muitos;

c- contato tenso;

d- angústia no contato;

e- contato deletivo.

Isolamento. solidão social;

Eterno retorno a si mesmo. reflexões. culpa;

Inclinação a agressividade;

Dificuldades em achar parceiro de vida e conservar. dificuldades matrimoniais;

Dificuldades sexuais: ejaculação precoce, impotência, frigidez etc.;

Queixas corporais, ‘cor nervosum’;

Perturbações do sono;

IV - DEFESAS NEURÓTICAS PRIMÁRIAS:

Recalcamento;

Inversão no contrário;

Identificação;

Regressão;

Fixação: fase oral o a 1 ano

fase anal 1 a 3 anos

fase fálica 3 a 6 anos

tempo de latência pré puberdade.

f – Édipo e Eletra.

V - DEFESAS NEURÓTICAS SECUNDÁRIAS:

Projeção. odeia alguém mas se julga odiado por ele;

Conversão. não consegue sustentar-se na vida. fica com pernas paralisadas;

Transferência: odiava a mãe, agora odeia a mulher.

se usa tudo o que o paciente em matéria de relações mais ou menos para alguém.

VI – CLASSIFICAÇÃO:

1 – Histérica

2 – Angústia

3 – Fóbica

4 – Obsessiva compulsiva.

VII – APLICAÇÕES MÉDICO LEGAIS:

- São doentes da esfera emocional. raramente infringem o código penal.

- Quando delinqüem cometem pequenas infrações: mentira, calúnia, cartas e telefonemas
anônimos, manifestações de despudor.

- Mulheres histéricas podem simular atentados sexuais imaginários. ciúme pode dar lugar a cenas
escandalosas, intrigas, falsas imputações.

- Civilmente, via de regra são capazes.

- Estados graves podem justificar a interdição.

- Neuróticos impotentes ou com graves anomalias sexuais podem concretizar a hipótese do
defeito físico irremediável e justificar a anulação do casamento.

- Também por moléstia grave, transmissível por herança, capaz de por em risco a saúde do outro
cônjuge ou a descendência.

- Jurandir Manfredini (casamento) sustenta o ponto de vista contrário; entende que neurose não é
“ moléstia grave”.

- Há neuroses que podem e devem ser consideradas “moléstias graves”.